quinta-feira, novembro 30, 2006

atentado

Atentado à vida, ao pudor, ao bom Senso, à minha inteligência. Cercada de atentados por todos os lados, sem nenhuma ventilação, estou sufocada. Um amor que é só meu, e é só dele que ando fazendo questão, talvez seja por mim, mas talvez seja pelo que não consigo imaginar e traduzir, ou talvez nem seja – porque eu realmente acredito que estou por aqui de passagem, minha realidade é a outra de lá. Atentado à minha paciência, se existisse uma receita para reavê-la, faria. Closer – perto demais. E o que eu posso fazer é cantar pra saudade, com seu vestido vermelho, porque afinal, o espetáculo não pode parar.

2 comentários:

Anônimo disse...

bota atentado ao bom CENSO nisso...

f. disse...

valeu anonimo, vou consertar. pq orgulho não é meu forte. assim como identificar-se nao é o seu.