terça-feira, agosto 29, 2006

tem dias que a gente acorda e pensa: cara, eu não conheço nada, nem ninguém. a gente nunca sabe quem vai atender quando batemos do outro lado da porta, tanta coisa passa pela minha cabeça agora. não conheço nem que eu conheço, engraçado isso. suponho coisas dentro do meu próprio mundo, e não convido ninguém a entrar. veja só "não convido ninguém a entrar", sou distante, então. será que ninguém me conhece também? tenho atitudes previsíveis, aquelas que a sociedade impõe. deve ser isso. queria uma casa numa árvore. amigos no campo. conhecimento sobre o alheio. paz de espírito. não, não há coerência em minhas simplórias palavras. talvez não esteja neste planeta. ou talvez não esteja no script.

2 comentários:

Clara disse...

tomou chá de beladona, foi?
hehe
eu bem sei o que é isso, minha filha. estamo todos condenados ao não entendimento, é a tal subjetividade. quem manda ser um eu?

Clara disse...

tomou chá de beladona, foi?
hehe
eu bem sei o que é isso, minha filha. estamo todos condenados ao não entendimento, é a tal subjetividade. quem manda ser um eu?